Debate Conciliação Cultural LGBTQ+Negras

Debate LGBTQ NEGRXS v2

Artistas e personalidades LGBTQ+ Negrxs debaterão preconceito e intolerância na cena cultural do país e contarão como superaram barreiras para serem reconhecidos

O Instituto Brasileiro da Diversidade – IBD tem a honra de convidar você para o Debate Conciliação Cultural LGBTQ+Negra, evento que tem o apoio institucional da APAA – Associação Paulista Amigos da Arte, do Teatro Sérgio Cardoso e da Secretaria Cultura do Governo do Estado de São Paulo.

O debate visa ser um espaço para trazer à tona e promover o diálogo propositivo a respeito de barreiras, dificuldades, superações e aprendizados na cultura, um dos segmentos da economia que, em tese, é mais sensível ao respeito e à valorização das diversidades humanas, e contará com profissionais e personalidades com experiências variadas, relatando como ultrapassaram barreiras como preconceito, ódio e intolerância, entre outras, para conquistarem reconhecimento nos sua área de atuação.

PARTICIPANTES:

Mel Gonçalves – Cantora, apresentadora de TV e ativista pelos direitos LGBTQ+;
Caio Prado – Cantor, compositor e ativista;
Mc DELLACROIX – rapper e ativista;
Jéssica Ipólito – Blogueira, autora do blog Gorda e Sapatão (http://gordaesapatao.com.br/), feminista e ativista do movimento negro feminino;
Rico Dalasam – Rapper, cantor e compositor;
Andre Fischer – Diretor do Festival Mix Brasil;
Cida Bento – Psicóloga Social, Diretora do CEERT, Centro de Estudos das Relações do Trabalho e Desigualdades
Tony Goes – Jornalista (mediação);

Apresentação: João Lindolfo – Sociólogo, radialista comunitário e ativista;

Convidado especial: Helio Santos – Escritor, ativista e presidente do Instituto Brasileiro da Diversidade – IBD

O Debate é uma realização do Instituto Brasileiro da Diversidade com Apoio Institucional da Apaa Associaçao Paulista Dos Amigos Da Arte, Teatro Sérgio Cardoso e Secretaria da Cultura do Governo do Estado de São Paulo.

MESA DE DEBATE: CONCILIAÇÃO CULTURAL LGBTQ+NEGRA
DIA: 30 de novembro de 2017
HORÁRIO: Das 15 às 18 horas
PERFORMANCE MUSICAL: MC Dellacroix – das 18 às 19 horas
LOCAL: Sala Paschoal Carlos Magno – Teatro Sérgio Cardoso
Rua Rui Barbosa 153 – Bixiga – São Paulo – SP

ENTRADA GRATUITA

OS INGRESSOS SERÃO DISPONIBILIZADOS POR ORDEM DE CHEGADA, SENDO LIMITADOS PELA OCUPAÇÃO DA SALA (144 lugares).

EVENTO NO FACEBOOK: https://www.facebook.com/events/180784149167002

CONTATO PARA IMPRENSA:
Nancy Campos
N&M Comunicação e Eventos
Tel: 11 98480-9858
nancy.campos@nmeventos.com.br

Compartilhe a hashtag: #LGBTQNEGRXS

Anúncios

Diversidade é Vantagem Competitiva

AS POLÍTICAS DE AÇÃO AFIRMATIVA COM FOCO NA EQUIDADE RACIAL FARÃO COM QUE AS ORGANIZAÇÕES SE PAREÇAM MAIS E MELHOR COM O BRASIL, Por Helio Santos

Conquistar diferencial competitivo tem sido uma procura constante das empresas. No entanto, obter recursos que a concorrência ainda não alcançou tem a ver, cada vez mais, com a gestão de pessoas. Em larga medida, isso se deve à difusão tecnológica equânime entre os concorrentes, restando aos colaboradores o papel definidor para o alcance da ansiada vantagem competitiva. A implementação de políticas que valorizam a diversidade é uma das principais estratégias contemporâneas para a consolidação do sucesso das organizações, sendo mesmo um “fator obrigatório” para tanto, como preceitua Peter Druker29. O conceito de diversidade se origina na biologia, que, como se sabe, estuda os seres vivos. Impressiona como essa ideia é adequada ao mundo corporativo. As empresas nascem, crescem, amadurecem e também podem sofrer obsolescência, adoecer e mesmo fenecer, como os sistemas estudados pelos biólogos. É sintomaticamente crucial o fato de que, tanto para a biologia como para os estudos organizacionais, a ideia de diversidade seja tão pertinente. Dados revelados por esta série de pesquisas Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 Maiores Empresas do Brasil e Suas Ações Afirmativas evidenciam, desde 2003 até hoje, uma baixa participação negra nas organizações do país. O Censo de 2010 constatou que 51% da população brasileira é negra (pretos e pardos). Sendo assim, debater criticamente a valorização da diversidade étnico-racial é fundamental para compreender o Brasil e as desigualdades estruturantes que guarnecem o quadro social que nos singulariza perante o mundo globalizado.

Não se tem notícia, até o presente momento da humanidade, a respeito de um país que tenha consolidado um desenvolvimento sustentável desperdiçando os talentos de que dispõe. Pelo contrário: nenhuma nação pode, impunemente, desperdiçar talentos – quaisquer talentos. Por outro lado, há uma invisibilidade da temática étnico-racial nas organizações brasileiras, que têm um peso cultural poderoso no que diz respeito ao não aproveitamento de negras e negros em seus quadros de colaboradores. É fácil compreender o impacto desastroso dessa inércia, considerando que somos um país de maioria negra. Uma das providências preliminares para essa síndrome é reconhecer que existe uma efetiva dificuldade para a inclusão qualificada de negras e negros no mercado de trabalho. Há estudos relevantes que evidenciam a prática da discriminação racial – a discriminação ocupacional (que questiona a capacidade do negro) e a discriminação pela imagem, quando a empresa idealiza um perfil em que o negro não deve estar presente. Uma das maiores riquezas intangíveis do Brasil é sua etnicidade múltipla, que se deve a eventos históricos diferentes: a negro-africana teve caráter compulsório, a europeia foi estimulada pelo Estado e a indígena é remanescente. Não faz sentido, em termos estratégicos, optar-se pelo uno quando se tem uma estrutura diversa e rica que se coloca como vantagem competitiva perante vários países que não dispõem desse componente reclamado por Druker. O desenvolvimento econômico requer mais do que slogans. O conceito contemporâneo de desenvolvimento deve pontuar quais são os beneficiários do crescimento econômico e não pode perder de vista o custo de oportunidade que se paga por desperdiçar talentos. As políticas de ação afirmativa com foco na equidade racial farão com que as organizações se pareçam mais e melhor com o Brasil, que ganhará em inovação e complementaridade. Não adianta só as empresas fazerem o melhor. É preciso fazer o melhor da melhor maneira, incluindo no portfólio dos produtos e serviços desenvolvidos no país um insumo necessário nesse milênio que se inicia: o da qualidade ético-moral.

Helio Santos é doutor em administração pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/USP), consultor em responsabilidade social, professor-convidado da Universidade Estadual da Bahia (Uneb) e presidente do Conselho do Fundo Baobá para Equidade Racial.

Screen Shot 2016-05-28 at 21.26.57

Agentes do Clima – AJCC

Screen Shot 2016-04-25 at 09.56.29

Continuando os esforços da COP21 para criar uma nova forma mundial de se relacionar com os desafios colocados pela mudança climática, “1oo Projetos Pelo Clima” é uma iniciativa internacional liderada pelo Governo Francês que tem como objetivo acelerar o surgimento de iniciativas de cidadãos de todo o mundo para o combate ao aquecimento global. Esse iniciativa irá tornar possível as soluções mais criativas em volta do mundo a ser tornar realidade.

O Instituto Brasileiro da Diversidade está presente com o projeto de Agentes do Clima, que colocará a diversidade brasileira a serviço do combate ao aquecimento global. O projeto prevê a capacitação de líderes comunitários para atuarem como agentes transformadores para novas práticas e políticas para o meio ambiente em suas comunidades e no Brasil. Descubra mais e junte-se ao projeto pelo e-mail: coraly@prumopro.com

COLABORE: Acompanhe e vote também em nosso projeto na plataforma criada pelo governo francês no link:http://www.100projetspourleclimat.gouv.fr/en/projects/11-ajcc

ajcc

World Wide Views – Clima e Energia

WWViews foi a maior consulta popular em clima e energia já realizada no mundo em parceria com grandes organizações internacionais e tendo como objetivo a conferência sobre mudança climática de 2015 em Paris, a COP21. Realizada em mais de 80 países simultaneamente, no Brasil, a consulta foi realizada pelo Instituto Brasileiro da Diversidade. A organização foi escolhida por sua experiência em projetos sobre fomento e manutenção da diversidade brasileira. Descubra mais sobre o projeto e seus resultados nos links abaixo.

site banner WWviews relatorio

Assista aqui

baixe aqui apostila WWViews

DIVERSIDADE E MEIO AMBIENTE, por Hélio Santos

A Diversidade, conceitualmente, tem a sua origem na Biologia. No campo biológico a Diversidade refere-se à variabilidade de organismos vivos de todas as origens. Atualmente, além dela, outras áreas do conhecimento têm parte importante de seu foco naquele conceito: a Educação, Psicologia, Antropologia e os Estudos Organizacionais são bons exemplos. Para estes setores, a Diversidade está associada ao direito à diferença. Promover a Diversidade, portanto, é ter as diferenças como valor. É ainda valorizar positivamente as diferenças.

<continuar lendo>

Perfil Social, Racial e de Gênero dos 200 Principais Fornecedores da Prefeitura de São Paulo.

Nos últimos anos, diversas empresas têm voltado suas atenções para a promoção da diversidade e igualdade de oportunidades em sua cultura corporativa. Buscando ampliar a discussão sobre o tema no meio empresarial, e estimular a adoção de ações inclusivas no mercado de trabalho, o Instituto Ethos promove, entre outras iniciativas relacionadas ao tema, a pesquisa Perfil Social, Racial e de Gênero dos 200 Principais Fornecedores da Prefeitura de São Paulo.

O estudo foi realizado em parceria com a Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial (SMPIR) e patrocínio do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). A análise dessas questões focou-se principalmente em quatro grupos considerados vulneráveis no mundo profissional – mulheres, negros, pessoas com deficiência, e pessoas com mais de 45 anos.

Atualmente, 4,9 milhões de pessoas estão alocadas nas empresas que fornecem serviços ao poder público municipal. Portanto, conhecer o perfil desse numeroso grupo é fundamental para aprimorar políticas públicas e privadas que visem o combate à discriminação e a valorização da diversidade nas gestões internas dessas organizações e em suas respectivas cadeias de valor. Acesse abaixo os resultados completos da pesquisa.

Screen Shot 2016-02-09 at 8.13.31 PM

                                          Clique na imagem para acessar a pesquisa

Uma organização pela diversidade brasileira.

LogoIBD v3

Instituto Brasileiro da Diversidade – IBD é uma organização sem fins lucrativos formada por pessoas e entidades que se dedicam à promoção da diversidade como instrumento de inclusão social.

A missão do IBD é facilitar o estabelecimento e a promoção de uma cultura pró-diversidade na sociedade brasileira, por meio de projetos e ações que ativam o debate sobre a ética, a cidadania e os direitos humanos.

Fundado em 2005, o IBD origina-se da pesquisa Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 Maiores Empresas do Brasil e Suas Ações Afirmativas, realizada pelo Instituto Ethos em 2003, que constatou a representatividade inadequada de negros, mulheres e pessoas com deficiência no mercado de trabalho e tornou-se um divisor de águas em diversidade no país.

Concebido para suprir essa lacuna da sociedade brasileira, o IBD nasce como uma iniciativa pioneira que congrega pessoas e instituições interessadas em promover uma mudança cultural no mundo do trabalho no Brasil que permita o aproveitamento de todos os talentos, fator primordial para toda nação que busca o desenvolvimento sustentável.

Por outro lado, entendendo a Diversidade em seu sentido mais amplo, o IBD passa também a focar a cultura em suas mais diferentes manifestações. A Diversidade Cultural é o principal ativo intangível da sociedade brasileira.

Assim, o IBD tem como foco maior influenciar a cultura de desenvolvimento do país, seja pelo aproveitamento de todos os talentos, independentemente de quaisquer condições, seja ainda pelo estímulo e valorização da cultura que vem a ser um elemento fundamental na construção da cidadania.

Os consultores, pesquisadores e membros do Conselho do IBD são oriundos de três importantes segmentos da sociedade: a academia, o mundo corporativo e o terceiro setor e representam as mais influentes organizações que operam no campo da Responsabilidade Social no país, tais como ABRH, CEERT, EAESP/FGV, ETHOS, INSTITUTO GELEDÉS NEMGE/USP e PARADIGMA. O IBD é dirigido pelo Professor Doutor Helio Santos, fundador e Diretor-Presidente da entidade.